.
.
.
.
.
.
English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

Feito por www.AllBlogTools.com

Pesquisar Neste blog

domingo, 8 de maio de 2011

MÃE PRETA

Olá irmãos

Que a paz de Oxalá esteja com todos


Hoje irmãos a postagem é uma poesia muito bonita e quem tem muito a ver com o Mês de Maio, o mês de nossos queridos Vovôs e Vovós.

MÃE PRETA

"O coração do inocente,É como a terra estrumada,
Qui a gente pranta a simente E a mesma nasce corada,
Lutrida e munto viçosa. Na nossa infança ditosa,
Quando o amô e a simpatia Toma conta da criança,
Esta sodosa lembrança Vai batê na cova fria.
Quem pela infança passou,O meu dito considera,
Eu quero, com grande amô, Dizê Mãe Preta quem era.
- Mãe Preta dava a impressão Da noite de iscuridão,
com seus mistero profundo, Iscondendo seus praneta;
Foi ela a preta mais preta Das preta qui eu vi no mundo.
Mas porém, sua arma pura, Era branca como a orora,
E tinha a doce ternura Da Virge Nossa Senhora.
Quando amanhecia o dia, Pra minha rede ela ia
Dizendo palavra bela; Pra cuzinha me levava
E um cafezim eu tomava Sentado no colo dela.
Quando as minha brincadêra Causava contrariedade
A minha mãe verdadêra Com a sua otoridade,
As vez brigava comigo E num gesto de castigo,
Botava os óio pra mim, Mas porém, não me batia,
Somente pruque sabia Qui mãe preta achava ruim.
Por isso eu não tinha medo, Sempre contente vivia
Mexendo nos meus brinquedo E fazendo istripolia.
Dentro de nossa morada, Pra mim não fartava nada,
O meu mundo era Mãe Preta; Foi ela quem me ensinou
Muntas cantiga de amô, E brincá de carrapeta.
Se as vez eu brincando tava De barbuleta a pegá,
E impaciente ficava Inraivicido a chorá,
Ela com munta alegria, Um certo jeito fazia,
Com carinho e com amô, Apanhava as barbuleta;
Foi ela uma santa preta, Que o mundo de Deus criou.
Se chegava a noite iscura Com seus negrume sem fim,
Ela com toda ternura, Chegava perto de mim
Uma coisa cochichava E depois qui me bejava,
Me levava pra dromida Sobre os seus braços lustroso.
Aquilo sim, era gozo, Aquilo sim, era vida.
E despois de me deitá Na minha pequena rede,
Balançava devagá Pra não batê na parede,
Contando estes lindos verso Qui neste grande universo
Ôtros mais belo não vi, E enquanto ela balançava
E estes versinho cantava, Eu percurava dromi.
Dorme, dorme, meu menino, Já chegou a escuridão,
A treva da noite escura Está cheia de papão.
No teu sono terás beijos Da rosa e do bugari
E os espíritos benfazejos Te defendem do saci.
Dorme, dorme, meu menino, Já chegou a escuridão
A treva da noite escura Está cheia de papão.
Dorme teu sono inocente Com Jesus e com Maria,
Até chegar novamente O clarão do novo dia.
Iscutando com respeito Estes verso pequenino,
Eu sintia no meu peito Tudo quanto era divino;
Nem tuada sertaneja, Nem os bendito da igreja,
Nem os toque de retreta, In mim ficaro gravado,
Como estes versos cantado Por minha boa Mãe Preta.
Mas porém, eu bem menino, Qui nem sabia pecá,
Os ispinho do destino Começaro a me furá.
Mãe Preta qui era contente, Tava um dia deferente.
Preguntei o que ela tinha E assim que ela oiô pra eu
Dois pingo d'água desceu Dos óio da coitadinha.
Daquele dia pra cá, Minha amorosa Mãe Preta,
Não pôde mais me ajudá Nas pega de barbuleta,
Sem prazê, sem alegria Dentro de um quarto vivia,
O dia e a noite intêra, Sem achá consolação,
Inriba de seu coxão De foia de bananera.
Quando ela pra mim oiava, Como quem sente um desgosto,
A minha mão apertava E o pranto banhava o rosto.
Divido este sofrimento, Naquele seu aposento,
No quarto onde ela viva, Me proibiro de entrá,
Promode não magoá As dô que a pobre sintia.
Eu mesmo dizê não sei Qual foi a surpresa minha,
Quando um dia eu acordei, Bem cedo domenhãzinha
Entrei na sala e dei fé Qui um magote de muié
Tava rezando oração; E vi Mãe Preta vestida
Numa ropona comprida, Arva, da cô de argodão.
Sinti no peito um cansaço, Depois uns home chegaro
Levantaro ela nos braço E numa rede botaro.
A rede tava amarrada Numa peça perparada
De madêra bem polida, E naquela mesma hora,
Levaro de estrada afora Minha Mãe Preta querida.
Mamãe com todo carinho, Chorando um bêjo me deu
E me disse - meu fiinho, Sua Mãe Preta morreu!
E ôtras coisa me dizendo, Sinti meu corpo tremendo,
Me jurguei um pobre réu, Sem consolo e sem prazê,
Com vontade de morrê, Pra vê Mãe Preta no céu.
O coração do inocente, É como terra estrumada
Que a gente pranta a semente, E a mesma nasce corada
Lutrida e munto viçosa; Na nossa infança ditosa,
Quando o amô e a simpatia Toma conta da criança,
Esta sodosa lembrança Vai batê na cova fria".

Autor: Patativa Do Assaré, 
ou ANTONIO GONÇALVES DA SILVA, 
direto do Ceará. Morreu em 2002 com 93 anos.

 Que Oxalá nos abençoe sempre

 Saravá .'. Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:


CAMINHO... "Sim, seu caminho é a Umbanda enquanto você valorizar a experiência espiritual com os Orixás, Guias e Mensageiros do Astral que se desdobram em muitas formas para te auxiliar. Seu caminho é e sempre será a Umbanda, enquanto você acender uma vela e sentir que ela fala contigo, enquanto você escutar o som do atabaque e seu corpo aquecer num compasso de vibrações e arrepios, enquanto você sentir o aroma das ervas transmutadas em fumaça ao contato com a brasa incandescente e for acometido da sensação de estar sendo transportado para outro lugar, a Umbanda continuará sendo seu caminho enquanto o brado dos Caboclos te arrepiar, o silêncio dos Pretos Velhos te emocionar, o gracejo dos Baianos te alegrar, a sinceridade dos Exus te curvar, a simpatia das Pomba Giras te atrair e a ciranda dos Erês te relembrar que, apesar dos pesares, o mais importante é não perder a pureza das crianças. Sim, seu lugar é no Templo que frequenta, enquanto os espíritos regentes ainda forem referências de aprendizado, enquanto você sentir saudade ao final de cada gira, enquanto os objetivos espirituais e materiais também forem os seus objetivos, enquanto o sentimento de irmandade não se dissipar facilmente em momentos de atritos e conflitos naturais, enquanto você preservar o respeito e lealdade ao seu Sacerdote ." - Sr. Caboclo Tupinambá

EVENTOS QUE APOIAMOS

Abaixo Eventos, Festas, Ritos de parceiros do Blog. Se você leitor tiver algum evento contate em nosso email. ( paileodelpezzo@gmail.com)

Nossa Bandeira

Seguidores

Quem Passou por Aqui

Quem sou eu

Minha foto
Léo Del Pezzo, ou Pai Léo das Pedreiras. Médium Umbandista á 13 anos, consagrado Pai Espiritual.Dedica todo seu sacerdócio para levar o entendimento de conhecimentos esotéricos, filosófico e teologicos ,exaltando a "Umbanda"